terça-feira, 9 de junho de 2009




É a Fé a primeira a lançar-se no campo,

a fim de combater sem olhar ao perigo.

Vai com os braços nus, sob um rústico manto,

agitado o semblante e os cabelos compridos...

Seu repentino ardor de atingir a vitóriafá-la

mesmo esquecer de munir-se de escudo:

o pânico terror de uma guerra furiosa

não encontra lugar em seu peito robusto!

A vesga Adoração das velhas divindades

é quem primeiro sai para lutar com ela;

mas a Fé, de antemão predisposta ao combate,

num instante a derruba e a faz beijar a terra.

Não lhe deixa soltar o hálito empestado;

prolonga-se a agonia o máximo que pode;

e calca-lhe com fúria os olhos injectados,

que, por fim, no 'stertor, já nem cabem nas órbitas.

Oh! Que imenso clamor na legião dos mártires,

que a Fé, sua rainha, amarra prò combate!

E agora lá vai ela enchê-los de grinaldas,

depois de os revestir de púrpura escarlate...


Prudêncio (séc. IV-V)

6 comentários:

marcelleba disse...

Boa noite amiga,
muito bom encontrar-te no Facebock
pois descobri este outro blog teu e achei lindo!
Beijos, Marcelle

Tropeços Literários disse...

Lindo Madalena, excelente gosto!
Vou passear muito ainda por aqui hoje.
Beijos!

Anita de Castro disse...

UM beijo Madalena

Nati Caetano disse...

Madalena! Menina que bom encontrá-la aqui.Continua belas as suas poesias.
Amiga vc não tem como seguir seu blog.
Adorei estar aqui e ver que vc continuou e não desistiu,pois o spacelive já era.
Bjs amiga .Fica com Deus.E um ótimo final de semana.Nati

Anita de Castro disse...

Frágil que seja, de papel de seda e taquara, nenhuma se dá ao exercício fácil de voar, levada suavemente pelas mãos de alguma corrente.

Anita de Castro disse...

Madalena viver, nos traz a esperança de conquistas. ... sentir uma grande harmonia interior e a realização do idealizado sem medo de acordar


Feliz aniversário